Páginas

terça-feira, abril 02, 2013

Goji berry. Como se o Brasil não tivesse frutas o suficiente

Goji berry in natura

Goji berry desidratada

Hoje de manhã vi na TV (no programa Mais Você) uma matéria sobre essa frutinha, Goji berry, nunca havia visto ou ouvido falar e, claro, nunca comi. Talvez até experimente um dia (não que eu vá correndo atrás), mas só se ela aparecer se oferecendo na minha frente no cardápio de algum lugar.
E na matéria falaram sobre todos os benefícios da tal fruta: fibras, 20 aminoácidos, até mesmo os essenciais, como o triptofano (precursor da serotonina e isso faria com que a pessoa que a ingerisse ficasse de bom humor), 8 vezes mais vitamina C do que a laranja, além do apelo de que esta também ajudaria a perder peso e, claro, famosos como Madonna, Kate Moss e etc já incorporaram a fruta no dia-a-dia porque são ricos e famosos. Porque o preço dela não é bom quanto o marketing... por 150g você paga "apenas" R$20,00.
Meu maior medo quando aparecem esses tipos de matéria na mídia é a falta de crítica das pessoas ao assistirem ou lerem sobre este ou aquele alimento, é a nova fruta da moda e daqui a pouco todos sairão atrás dela e de seus efeitos milagrosos, assim como há um tempo atrás era a soja, depois foi a quinoa e a chia. E o que todas elas têm em comum? Nenhuma é brasileira. A quinoa é nativa do Peru, Chile e Colômbia; a chia, do México e da Guatemala; a soja, originária da China e do Japão e a goji berry, do Tibete. Além disso, todas elas foram colocadas na mídia como o milagre do emagrecimento e do bem estar. Vou contar um segredo: não existe milagre, você não vai emagrecer tomando cápsulas de goji berry ou proteína hidrolisada de soja ou uma colher de sopa de quinoa. Não estou dizendo que elas fazem mal, podem haver benefícios como acrescentar fibras a alimentação e outros micronutrientes e antioxidantes, mas não é necessário ir tão longe para conseguir isso: toda fruta, verdura, legume, leguminosa tem algo bom para oferecer.
Nós temos mania de valorizar o que é de fora, achar que é melhor, mas acho que já passou da hora de valorizarmos as frutas provenientes do nosso próprio país. Já mencionei em outro post sobre quantas frutas temos aqui e não as conhecemos, nunca as experimentamos (visite o site do sítio do Bello, lá tem uma lista de frutas nativas, tenho sorte de já ter comido por volta de  quinze das frutas que estão listadas lá). E sobre os benefícios, aqui vai o exemplo da acerola: 100g de acerola possuem 941,4mg de vitamina C e 100g de laranja possuem 53,7mg desta, ou seja, nesta proporção a acerola possui 17 vezes mais vitamina C do que a laranja (TACO, 2011); sobre os aminoácidos, que tal comer a combinação clássica brasileira: arroz e feijão?! E se a alimentação for rica em folhas, legumes, cerais integrais, fibras não vão faltar.
O ponto no qual quero chegar é: não é necessário comprar uma fruta da china que nem sabem se há produção no Brasil e cara para chegar a uma alimentação saudável. Nosso país é cheio de plantas comestíveis que adorariam ser reconhecidas e valorizadas, além de ajudar na divulgação do comércio local e dos pequenos produtores.
E sempre fique atento quando lançarem mais um alimento da moda.

Para ver a matéria sobre a Goji Berry, visite: http://tvg.globo.com/programas/mais-voce/O-programa/noticia/2013/04/perda-de-peso-e-bom-humor-famosos-ja-aproveitam-os-beneficios-da-goji-berry.html

3 comentários:

Tamy disse...

Lá na Liberdade tem essa frutinha nas lojas chinesas XD Não cheguei a ver o preço, mas próxima vez eu vejo hehe

Nicole Müller Ollandezos disse...

Parabéns!!! Adorei sua publicação, as pessoas vão muito pela mídia, de fato NÃO existem milagres! :)

Maria Eduarda Amaral disse...

Amei! É o mesmo raciocínio de quem não come direito e vive comprando suplementos... Faça o básico, barato e fácil que tudo fluirá como deve =)