Páginas

quarta-feira, abril 20, 2011

Carambolas, Comensalidade!



Depois que meus objetos de estudo, enquanto graduanda em nutrição, se tornaram o alimento e a relação que as pessoas estabelecem com a comida, passei a enxergar a comensalidade. É quase onipresente, é só observar um simples repartir de lanche durante o intervalo e, lá está ela! Antes nem imaginava que o simples fato de comer junto poderia simbolizar tantas coisas, aliás, o ato de comer por si só já traz consigo uma carga de símbolos, significados, memórias, mesmo você estando aí, comendo sozinho. Quem dirá compartilhando essa experiência com outro.
Surgem histórias de "quando eu era pequena, minha mãe tirou uma foto minha toda lambuzada de manga" ou "o pão que minha avó faz sem receita..." ou ainda "nossa, meu pai manda bem na cozinha, ele faz um omelete" e mais "minha família se junta inteira pra fazer capeletti", e também "pra minha avó, fungos e bolores na comida são penicilina" (claro, claro... o que não mata engorda...). E dividir essas memórias, com o perdão do trocadilho, é muito gostoso!
Mais legal ainda quando uma pessoa, ou melhor, um grupo de pessoas gosta de cozinhar, se junta pra fazer isso vez ou outra e "contamina" as pessoas que estão em volta e aquele amigo que num sabia nem fritar ovo direito resolve do dia pra noite fazer um manjar e um empadão de frango! E assim, vamos percebendo o papel que essa alimentação, do fazer junto, dividir algo que você preparou com outros, ou até mesmo comer sozinho algo que você mesmo fez (não vale macarrão instantâneo nem congelados), vai assumindo na vida de cada um.
Não consigo encontrar palavras pra descrever o quão importante isso é na minha vida, sem mencionar o fato de ser muito divertido. Para mim, mexer com os alimentos é uma forma de arte (Comida também é arte), de expressão. É muito além do "nutrir-se", bioquimicamente falando.
E essa coisa da experiência com os alimentos é muito engraçada... o significado que cada um dá para cada alimento. Vou contar um fato recente:
No supermercado:
"Nossa, a carambola tá cara. Também, está fora de época."
"Carambola se come?!"
"Oi?!?!?!"
"Carambola se come? Sempre achei que fosse enfeite..."
"Nossa, faço questão de comprar uma carambola pra você agora. Uma pra mim e outra pra você, para comermos juntos"

Em casa:
"Como come?"
"É só lavar e comer"
"Ok"
NHAC
"E aí?"
"Nooosssaaa, é muito bom. Tem polpa, não é fibrosa como eu achava que fosse!"

Isso não é incrível?! Compartilhar essa descoberta do novo?!?! Fazer parte disso?! Eu acho sensacional! Experimente!



2 comentários:

Kelvin disse...

hahahahaha
Demais. A parte sinestésica realmente é marcante.

Isabela disse...

A historia de contamina um amigo e fazer ele cozinha é o maximo nao é??
na verdade tudo o que vc disse faz mt sentidoo
E a descoberta de novas comidas então...parabens pela lição de ensinar a comer carambola...valeu ter comprado mesmo fora de epoca...huahauahau